terça-feira, 22 de março de 2016

A polêmica Páscoa !!!

A ideia hj é fazer uma reflexão sobre o que queremos de fato para nossa sociedade. Sociedade?? Não vou tão longe a pergunta seria: Quem queremos de fato ao nosso lado daqui há alguns anos como ser integrante dessa sociedade?? E eis a diferença: o que x quem !!!

Não posso ser chamada de professora exemplar e nem almejo isso pra ser sincera, mas é a profissão de educadora ( da qual muitos se gabam), que ainda é a responsável pelo meu sustento, portanto, convivo diariamente nesse ambiente, ora engraçado, ora estressante, mas acima de tudo controverso. E isso não é engraçado nem estressante, é revoltoso.

Não vou me ater aos detalhes físicos de uma instituição pública, nem nos materiais disponibilizados para o trabalho, nesse momento quero me ater a Páscoa ! E acreditem, a pobre coitada da Páscoa é motivo de polêmica numa escola, e nesse caso, isso para mim é assustador. Assim como o Natal.

Entendo que como educadora, cabe a mim e a escola preparar o indivíduo num todo, independente do que a escola fisicamente me oferece e do material que eu disponho, de forma que seu carácter seja ajudado, que sua cultura seja ampliada e que as palavrinhas mágicas sejam funcionais, logo, se datas comemorativas como essa, que inclusive são feriados nacionais, servirem de instrumento para isso, por que brigar??...Num mundo onde crianças são capazes de nos agredir física e verbalmente todos os dias, onde esses projetos de adulto são riscos sociais, por que não dar ciência de uma crença que existe e é universal ainda que seja apenas para o conhecimento das mesmas??? Por que não se utilizar do encanto e da magia do coelhinho da Páscoa e do Papai Noel ??? Por que deixar o mundo correr solto do portão da escola pra fora e sermos cúmplices de mais uma forma de alienação??? Será que o Ensino Religioso era tão prejudicial assim???...E OSPB ???...Moral e Cívica???...Técnicas comerciais???...Será que em nome do conhecimento técnico e exacerbado não nos tornamos ignorantes???

A grande discussão se baseia no discurso de que a escola é laica. Vejamos:

"A terminologia laico é um adjetivo que tem como significação: postura separadora ( o fato de comemorar a Páscoa numa escola não significa separar nenhuma outra religião) e crítica quanto à influência da religião na organização política, econômica e social nas sociedades contemporâneas. O laicismo teve seu ápice no final do século XIX e o início do século XX e pode ser entendido como uma corrente filosófica que defende na teoria e na prática a separação entre o Estado e a Igreja ( então por que a igreja hj faz tanto o papel do estado???) e comunidades religiosas, bem como a neutralidade do Estado com relação aos assuntos religiosos.
O laicismo não deve ser confundido com a constituição de um Estado ateu. Os princípios básicos do laicismo são a igualdade entre os cidadãos nos assuntos religiosos ( a festa da Páscoa numa escola difere alguém com 3 anos de idade?), a liberdade de consciência e defesa da procedência humana e democrática das leis do Estado.
A doutrina laicista surge como fruto da indignação de diversos grupos social frete aos abusos realizados pela interferência de ideologias e preceitos religiosos na esfera política de diversas nações e no conhecimento difundidos pelas universidades no período pós-medieval ( vcs não acham que estamos longe do período medieval??)."

Ou seja, não estamos falando de festa do Dia da Bíblia ( apenas um exemplo), nem as comemorações são instituídas como doutrinas incutidas nas crianças, mas apenas se faz ciente da existência de tal comemoração e seu significado para o mundo ainda que não seja para ele, porque simplesmente a data existe e não se pode negar. E como escola, da mesma forma que numa aula de história para o ensino médio, se faz necessário dar ciência aos alunos sobre guerras religiosas, ao meu entendimento, quando eu trabalho a Páscoa no primeiro segmento do ensino fundamental, eu estou ministrando história para os pequenos. O dia que decretarem feriado para Buda ( apenas um exemplo), o significado de tal feriado será passado para as crianças da mesma forma. O que me faz ignorante nesse âmbito religioso é justamente a negação da história como parte fundamental na formação de um ser humano e a existência do mundo.

A ideia que tenho é que a cada dia regredimos enquanto pessoas flexíveis. O equilíbrio é algo surreal !!! A média aritmética é incalculável dia após dia...e caso essas pessoas de fato não comemorem tais eventos em suas casas, as mesmas não dão ciência aos seus do que significa???...se eu não sou católica e vou ao casamento católico, participo da celebração, vejo como ela acontece, isso significa que eu estou sendo catequizada??? Se eu visito a Bahia, vejo e assisto "shows" de baianas significa que estou acordando com essa religião???
Se por um motivo qualquer eu for transferida para o Japão, meu filho não vai ter acesso a escola porque a rotina e seus ensinamentos culturais não são laicos??? Ah, me poupe, bem que eu iria gostar dele ser educado num país de primeiro mundo...que defesa é essa pela constituição brasileira que até agora mostrou muito pouco a que veio...eis-nos diante de uma crise nacional de princípios !!!

O fato é: toda história a partir do momento que é escrita, assim como esse texto, passou à existência, cabe a cada um defini-la como real ou fictícia,porém, não se pode negar a existência. E isso é fantástico !!! Real ou fictícia a história da Páscoa existe...a história do Natal existe...pra mim e pra vc...para alguns ela é real, para outros fictícia, mas eu não vou impedir ninguém de ler!