terça-feira, 3 de janeiro de 2017

O ócio

Aquele dia que vc não reconhece como dia produtivo. O dia do ócio, diferente da preguiça.

O dia da preguiça é maravilhoso. Aquela sensação real de não fazer nada porque não quer fazer nada e não precisa fazer nada, ou se precisa vc simplesmente chuta o balde. Vc se espreguiça na cama e sorri para ela. Levanta quando quer. Toma café quando quer. Volta pra cama ou se muda pro sofá quando quer. Amanhece e anoitece num espaço de tempo tão curto que vc nem percebe, ou se percebeu não deu bola pra isso. Simplesmente desliga a televisão e parte para o sono do despertar de um novo dia comum, de volta a rotina como todos os outros.

O ócio chamado criativo é diferente. Vc nada tem pra fazer, ou tem, mas se dedica a não fazer e simplesmente aceita o que a mente lhe convém. Ora vc anda pelas ruas sem rumo. Observa uma vitrine nunca notada. Para e degusta um café. Resolve visitar aquela livraria que ouviu falar. Fica muda, não atende nem faz ligações. Sabe aquela preguiça de falar?...Nesse dia vc respeita.

Pega o metrô até sua última estação. Volta. E no meio do caminho tem uma grande ideia a respeito daquele móvel que vc queria reformar. Ou a solução pro problema do trabalho. Ou qualquer outro insigth que faz vc ganhar o dia e valer a pena cada minuto de ócio.

Mas o  ócio nem sempre é criativo. E esse é o problema, ou talvez o meu problema. Que pecado há em não fazer nada, não ter nenhuma ideia e nem se espreguiçar na cama?...Nenhum mal haveria se não fosse o fato da sua mente não se perdoar por isso durante cada minuto do ócio. A sensação do dia perdido lhe perturba antes mesmo dele se perder...sim, é isso que acontece.

Vc não dorme, não anda, não sai de casa. Faz o almoço porque tem que fazer. Não tem forças pra lavar o banheiro nem passar roupa...vê tv e a hora passa enquanto o mal humor interno lhe rodeia em meio aos pensamentos improdutivos que se alimentam dos problemas. É o ócio. O pior deles. É o castigo do tempo não aproveitado. A sua consciência em movimento constante da cobrança. Para esse ócio não tem desculpa. Nada nesse dia foi capaz de lhe consolar dizendo que valeu a pena, a não ser o fato de estar viva.

Ah a vida !!! Talvez seja essa a responsável. A inimiga do ócio. Porque se vc está vivo, vivo deve ser cada minuto. Pulsar cada atitude e cada ação do seu dia para fazer valer a pena estar vivo. Dominamos a preguiça e o ócio criativo. O ócio nos domina e domina a vida. Sejamos o dominador e não o dominante de nós mesmos. Por isso o incômodo e desconforto. Pensemos nisso e sejamos atentos à não permitir o ócio.
❤❤❤